ADERES- AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO EM REDE SUSTENTÁVEL
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
VOTE AQUI:
O 3º SETOR É SOLUÇÃO PARA O SOCIAL NO BRASIL?
SIM:
+ou -
NÃO:
Ver Resultados

  • Currently 2.77/5

Rating: 2.8/5 (921 votos)




ONLINE
1




Partilhe esta Página




Queima de biomassa causa 18% emissões antrópicas

O conteúdo do Instituto CarbonoBrasil possui direitos reservados, porém é liberado para organizações sem fins lucrativos desde que seja citada a fonte e incluída a URL para o portal. Em caso de dúvida, entre em contato. http://www.institutocarbonobrasil.org.br/noticias2/noticia=737863#ixzz39irPTOTp

Mudanças Climáticas /

 

Queima de biomassa seria a causa de 18% das emissões antrópicas

07/08/2014     -   Fonte: Instituto CarbonoBrasil / Universidade de Stanford

Novo estudo sugere que a queima de biomassa, natural ou provocada, tem um papel muito maior nas mudanças climáticas do que se pensava, e, além disso, seria responsável por até 10% das mortes relacionadas com a poluição do ar

Um pesquisador da Universidade de Stanford afirma ter quantificado pela primeira vez o grau da contribuição da queima de biomassa - como os incêndios florestais, a abertura de terras agrícolas ou o uso de matéria vegetal como combustível - para as mudanças climáticas e a saúde humana.

Marc Z. Jacobson, diretor do Programa de Energia e Atmosfera e professor de Engenharia Civil e Ambiental de Stanford,detalhou suas conclusões em um artigo publicado na edição de 30 de julho do Journal of Geophysical Research: Atmospheres. 

Ele baseou o estudo em simulações tridimensionais computadorizadas dos impactos da queima da biomassa e concluiu que os efeitos têm um papel muito maior nas mudanças climáticas e na saúde humana do que se pensava.

“Calculamos que entre 5% e 10% da mortalidade relacionada à poluição do ar ao redor do mundo se deve à queima da biomassa”, disse o pesquisador. “Isso significa que causa a morte prematura de cerca de 250 mil pessoas a cada ano.”

Em relação ao aquecimento global, Jacobson afirma que quase 8,5 bilhões de toneladas de CO2 atmosférico, ou cerca de 18% de todas as emissões antrópicas, vêm da queima da biomassa. Ele lembra que as emissões totais de dióxido de carbono (CO2) decorrentes das atividades humanas, excluindo a queima da biomassa, já alcançam 39 bilhões de toneladas anualmente. 

Para piorar, as pesquisas mostram que o problema não é apenas o CO2. Os carbonos negro e marrom, uma fuligem gerada nos incêndios, maximiza o impacto térmico, fazendo com que a queima da biomassa cause muito mais aquecimento por unidade de peso do que qualquer outra fonte associada às atividades humanas.

Essas partículas intensificam o aquecimento atmosférico de várias formas: se misturam às gotículas de água que formam as nuvens, que acabam absorvendo a luz solar, criando calor e acelerando a evaporação. Isso causa a dissipação da nuvem, e consequentemente do seu efeito de reflexão, permitindo que mais luz solar chegue à superfície e ao oceano.

Os carbonos negro e marrom também se misturam à neve e ao gelo, contribuindo para o aquecimento, já que a cor branca reflete o calor, mas com a mistura das partículas, a transição para tons mais escuros absorve a luz solar, causando maior derretimento. Assim, a superfície exposta do oceano e do solo, mais escuras, também absorvem mais calor.

Jacobson nota que algumas partículas, especificamente as brancas e cinzas, podem ter um efeito de resfriamento, pois refletem a luz solar. Isso deve ser contraposto às etapas de aquecimento descritas anteriormente.

O pesquisador alerta que o impacto de todos os gases do efeito estufa antrópicos somados ao carbono negro e marrom, descontando o efeito de resfriamento das partículas claras, é o aumento das temperaturas globais em cerca de 0,9ºC ao longo do período de 20 anos simulado no computador. Desse incremento líquido, os cálculos indicam que 0,4°C são de responsabilidade da queima de biomassa.

Jacobson também considerou o calor diretamente gerado pela combustão da biomassa, que contribui para a evaporação das nuvens.

“Determinamos que 7% do aquecimento líquido total causado pela queima da biomassa – ou seja, 7% do ganho líquido de 0,4° C na temperatura – pode ser atribuído ao calor direto causado pelos incêndios”, explicou ele.

Energia


A queima de resíduos agrícolas ou da atividade madeireira para a geração de energia como uma alternativa tida como ‘sustentável’ ao uso de combustíveis fósseis é criticada pelo estudo como “parcialmente verdade”. O argumento é de que, por um lado, esses resíduos podem ser cultivados, processados e convertidos ciclicamente, e, por outro, criam poluição e fluxos térmicos.

“A conclusão é que a queima de biomassa não é limpa e nem neutra climaticamente”, enfatizou Jacobson.