ADERES- AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO EM REDE SUSTENTÁVEL
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
VOTE AQUI:
O 3º SETOR É SOLUÇÃO PARA O SOCIAL NO BRASIL?
SIM:
+ou -
NÃO:
Ver Resultados

  • Currently 2.77/5

Rating: 2.8/5 (921 votos)




ONLINE
1




Partilhe esta Página




BANDA LARGA 3,8 MILHÕES DE MORADORES NA AMAZÔNIA:

 

 

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DEFESA BIODIVERSIDADE INCLUSÃO SOCIAL E PRODUTIVA INCLUSÃO DIGITAL

Governo lança programa para levar banda larga a 3,8 milhões de moradores de regiões isoladas da Amazônia

Ministros Aldo Rebelo, Jaques Wagner e Ricardo Berzoini inauguraram em Manaus primeiro trecho do Programa Amazônia Conectada. Meta é estender redes ópticas em 7,8 mil quilômetros de rios da Amazônia.

Os benefícios que a rede propiciará vão da comunicação pessoal à educação e à economia, disse Aldo.

Crédito: Gilberto Alves/Ascom do MD

Os ministros da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aldo Rebelo; da Defesa, Jaques Wagner; e das Comunicações, Ricardo Berzoini, inauguraram o primeiro trecho do Programa Amazônia Conectada nesta quinta-feira (16), no Comando Militar da Amazônia, em Manaus. Durante o lançamento oficial do Programa, eles assinaram uma portaria interministerial que institui a política de gestão da iniciativa, cuja meta é estender redes subfluviais ópticas em aproximadamente 7,8 mil quilômetros dos principais rios da região, beneficiando mais de 3,8 milhões de habitantes.

"A rede propicia uma série de benefícios que vão da comunicação pessoal à educação e à economia, ou seja, toda a atividade social que exige hoje tecnologia da informação torna-se possível com essa rede do Programa Amazônia Conectada, que é apenas uma das ações sugeridas pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, e nesse caso executada pelo Ministério da Defesa e o Exército Brasileiro", afirmou Aldo Rebelo.

Por meio do Programa, a região irá usufruir uma série de serviços de rede de dados com a mesma qualidade encontrada na capital do Amazonas. Internet banda larga, telemedicina, ensino a distância, instituições de educação e pesquisa, interconexão entre saúde, segurança pública, trânsito e turismo serão alguns dos benefícios alcançados em favor das populações que vivem nas regiões mais remotas da Amazônia. O programa contribuirá também para aperfeiçoar as comunicações militares na fronteira, trazendo ganhos para a defesa nacional.

"Nós temos uma fronteira muita extensa e difícil de ser policiada e, no caso da fibra óptica, ela vai poder trafegar informações com um grau de segurança para as Forças [Armadas] e com uma rapidez muito maior. Vai contribuir muito para a gente dar mais eficiência e eficácia a todo o sistema de defesa", afirmou o ministro da Defesa, Jaques Wagner. Outra vantagem prevista é facilitar o controle do desmatamento da Amazônia. A infraestrutura a ser implantada tornará possível o monitoramento de áreas de proteção ambiental por câmaras de vídeo, com transmissão de imagens que requerem alto consumo de banda. 

O trecho inaugurado pelos ministros para demonstração da tecnologia compreende uma rota de fibra óptica de 10 quilômetros de extensão por leito de rio, interligando o 4º Centro de Telemática de Área (CTA) do Comando Militar da Amazônia até a 4ª Divisão de Levantamento Geográfico (4 DL). Por meio de videoconferência, com transmissão direta através do cabo óptico, os ministros, situados no CTA, estabeleceram comunicação com o coordenador dos cursos especiais para o interior do Estado, da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), professor Luiz Verçosa, lotado na 4 DL.

O projeto integral vai criar cinco infovias para atender os municípios das calhas dos rios Negro, Solimões, Purus, Juruá e Madeira, propiciando a inclusão digital de 52 municípios. Somente no Rio Solimões serão 15 municípios atendidos. Atualmente, a rede de fibra óptica do Estado conecta apenas a cidade de Manaus. Entre os problemas com a infraestrutura de tecnologia da informação (TI) na Região Amazônica, encontra-se a baixa velocidade de acesso à internet, bem como a falta de acesso a internet na maior parte dos municípios do interior, a precariedade dos serviços públicos estaduais e altos custos de comunicação.

O ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, destacou a importância da iniciativa. "A questão das comunicações é crucial para a integração do povo brasileiro. A missão dada pela presidenta Dilma é construir os mecanismos para garantir internet em banda larga para todos os brasileiros a custos acessíveis", afirmou.

O governador do Amazonas, José Melo, avaliou que o programa vai beneficiar centenas de famílias do interior do Estado, em áreas como educação, saúde e segurança. "Com a internet banda larga, a população terá acesso a telemedicina, universidade a distância e a segurança das nossas fronteiras será reforçada com a facilidade da comunicação", disse.

O Programa

Em 2012, diversas organizações, entre elas a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), foram convocadas pelo MCTI para formular um Plano de Ciência, Tecnologia e Inovação visando ao desenvolvimento sustentável da Amazônia. "Este programa é fruto de propostas iniciadas em 2012, com uma chamada do próprio Ministério a várias organizações de pesquisa, para permitir a essa região do País receber os benefícios da tecnologia da informação", pontuou Aldo Rebelo.

A ampliação das condições de acesso em banda larga na região foi considerada uma das principais linhas de ação. A partir daí, nasceu o Projeto Conexão Amazônica, com o objetivo de estender esse acesso em todas as instituições de ciência e tecnologia (ICT) da região, como meta para o período 2014-2018.

O potencial dessa completa infraestrutura de rede na região poderá levar conectividade, direta e indiretamente, para mais de 160 instituições de ensino e pesquisa. O programa tem grande impacto para geração de conhecimento e recursos humanos qualificados, promovendo o desenvolvimento científico, econômico e social.

"A rede vai interligar com grande qualidade e capacidade os centros de ensino e pesquisa da Amazônia", afirmou o secretário de Política de Informática do MCTI, Virgilio Almeida. Segundo o secretário, todos os equipamentos para transmissão óptica foram projetados, desenvolvidos e produzidos por empresa genuinamente nacional e beneficiária da Lei de Informática. O secretário de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social, Eron Bezerra, também participou do lançamento.

por Ascom do MCTI

Publicação: 16/07/2015 | 19:57

Última modificação: 20/07/2015 | 16:50