ADERES- AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO EM REDE SUSTENTÁVEL
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
VOTE AQUI:
O 3º SETOR É SOLUÇÃO PARA O SOCIAL NO BRASIL?
SIM:
+ou -
NÃO:
Ver Resultados

  • Currently 2.77/5

Rating: 2.8/5 (921 votos)




ONLINE
1




Partilhe esta Página




China planeja lançar mercado de carbono :

O conteúdo do Instituto CarbonoBrasil possui direitos reservados, porém é liberado para organizações sem fins lucrativos desde que seja citada a fonte e incluída a URL para o portal. Em caso de dúvida, entre em contato. http://www.institutocarbonobrasil.org.br/noticias/noticia=737236#ixzz33Dg9VcJx

Mercado de Carbono /

Notícias

China planeja lançar mercado de carbono nacional em 2018

30/05/2014   -   Autor: Fabiano Ávila   -   Fonte: Instituto CarbonoBrasil

 

 

Em uma apresentação realizada em março para o Banco Mundial, disponibilizada nesta semana pelo portal RTCC, Wang Shu, da Comissão Nacional de Reforma e Desenvolvimento da China (NRDC), revelou que o plano do país é implantar um mercado de carbono nacional em 2018.

Os chineses já possuem sete mercados de carbono locais: Tianjin, Pequim, Xangai, Shenzhen, Guangdong, Hubei e Chongqing. Esses esquemas seriam então unificados nos próximos anos em um grande mecanismo nacional de controle de emissões de gases do efeito estufa (GEEs).

“Baseado nos resultados e experiências dos sete esquemas piloto, iremos estabelecer um sistema de cap-and-trade em escala nacional (...) É esperado que isso ocorra, de uma forma que tenha um bom custo-benefício, em 2018,”, disse Wang.

O mercado de carbono chinês seria uma das principais ferramentas para que o país cumpra seus compromissos internacioanis, entre eles o de reduzir a intensidade de carbono na economia (a quantidade de GEEs por unidade do PIB) entre 40% a 45% até 2020, com relação ao nível de 2005.

Segundo a apresentação, o governo chinês está preparando os seguintes passos para os próximos anos:

 

- Estudar o limite de emissões (cap) para o esquema nacional;

- Disponibilizar diretrizes sobre como mensurar e monitorar emissões, com a ajuda da Noruega e da Austrália;

- Implementar um sistema de divulgação das emissões de empresas;

- Desenvolver uma proposta de mercado que conte com o apoio do Programa de Preparação de Mercados (PMR);

- Estudar a viabilidade de produtos futuros no comércio de carbono e de mecanismos financeiros;

- Promover cooperações com a União Europeia, Estados Unidos e outros países.

Neste último ponto, vale destacar que, na semana passada, a China fechou um acordo com a União Europeia para acelerar a implantação de um mercado nacional chinês. 

Os chineses são os maiores emissores de gases do efeito estufa do planeta, liberando para a atmosfera mais de 10 bilhões de toneladas de dióxido de carbono equivalente por ano.