ADERES- AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO EM REDE SUSTENTÁVEL
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
VOTE AQUI:
O 3º SETOR É SOLUÇÃO PARA O SOCIAL NO BRASIL?
SIM:
+ou -
NÃO:
Ver Resultados

  • Currently 2.77/5

Rating: 2.8/5 (921 votos)




ONLINE
1




Partilhe esta Página




Mercados de Carbono Têm Grandes Expectativas:

O conteúdo do Instituto CarbonoBrasil possui direitos reservados, porém é liberado para organizações sem fins lucrativos desde que seja citada a fonte e incluída a URL para o portal. Em caso de dúvida, entre em contato. http://www.institutocarbonobrasil.org.br/noticias/noticia=737225#ixzz332A1RAqx

Mercado de Carbono /

Notícias

 

Traders do mercados de carbono têm grandes expectativas para acordo climático em 2015

28/05/2014   -   Autor: Jéssica Lipinski   -   Fonte: Instituto CarbonoBrasil

 

 

Uma pesquisa de opinião realizada pela Associação Internacional de Comércio de Emissões (IETA) revelou que participantes dos mercados de carbono acreditam que um acordo climático em 2015 é a melhor forma de criar condições propícias para o comércio de emissões. Cerca de 85% dos respondentes  esperam que um acordo seja firmado em 2015, e 83% acreditam que o tratado estimulará governos nacionais a criarem ou ligarem os mercados de carbono, embora apenas 4% creiam que o pacto será obrigatório para todos.


O estudo também apontou que o estabelecimento de uma meta ambiciosa para 2030 é a melhor forma que a União Europeia pode usar para estimular investimentos de baixo carbono no esquema de comércio de emissões do bloco (EU ETS). Pelo menos foi o que disse metade dos 92% dos respondentes que acreditam que a Comissão Europeia deveria agir para melhorar o funcionamento do mercado.

As expectativas de preço para a Fase III do EU ETS continuam baixas, mas mostram sinais de estabilização. Sob as atuais regras do esquema, 63% dos respondentes esperam que o preço médio das EUAs durante a Fase III seja de € 8, abaixo dos € 34 de 2008 e dos € 10 de 2013. Poucos (15%) acreditam que o valor ficará abaixo dos € 5, e cerca de um quarto (23%) dos respondentes acreditam que o preço médio fique acima dos € 10.

O sentimento de mercado entre os respondentes é otimista a respeito de que a China desenvolva um sistema de precificação de carbono ambicioso até 2025. A maioria (80%) dos participantes acredita que o país provavelmente implementará um preço nacional para o carbono após os esquemas piloto. Sete em cada dez respondentes creem que o esquema chinês será ambicioso o suficiente para que o país cumpra seus compromissos de redução.

Já em relação aos Estados Unidos, os participantes parecem menos otimistas. Metade dos respondentes acha que o país implementará uma regulamentação climática até 2020, embora 24% pensem que isso não ocorrerá, e 28% não tenham uma opinião. Eles observaram que uma série de obstáculos legais e políticos devem ser superados antes disso, mas que a perspectiva de uma ação federal sobre as emissões pode incentivar mercados estaduais.

Sobre o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), a maioria dos respondentes (63%) acredita que o esquema continuará a existir depois de 2015, mas mais de 80% não creem que ele continue da mesma forma que a atual. Quase metade (44%) acha que o MDL será reformado, e 16% pensam que ele será substituído por outro mecanismo.

Em se tratando de REDD+, um pouco mais da metade (51%) acredita que a ferramenta seria um novo mecanismo de mercado eficiente para mitigar as mudanças climáticas em nível global, e um pouco menos da metade (49%) acha que o mercado voluntário de REDD+ se tornará mais importante para as mudanças climáticas entre agora e 2020, contra 23% que creem que ele diminuirá em importância.

Por fim, os participantes acreditam que, no geral, os esquemas voluntários podem ter um papel importante a desempenhar para unir os mercados de carbono, principalmente através de seus padrões relacionados à eficiência energética (59%) e energias renováveis (55%).

“Nos últimos 12 meses, profissionais do mercado e de finanças de carbono observaram grandes desenvolvimentos pelo mundo: a Europa teve êxito em implementar uma proposta de ‘backloading’ e começou o debate sobre sua estrutura climática e energética para 2030; a China lançou seis novos ‘pilotos’ de comércio de emissões e o mercado de carbono da Califórnia celebrou seu primeiro aniversário. Uma vez que os mercados de carbono existentes podem demonstrar seu sucesso, veremos mais deles pelo mundo”, concluiu Dirk Forrister, presidente e CEO da IETA.


Compartilhar: