ADERES- AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO EM REDE SUSTENTÁVEL
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
VOTE AQUI:
O 3º SETOR É SOLUÇÃO PARA O SOCIAL NO BRASIL?
SIM:
+ou -
NÃO:
Ver Resultados

  • Currently 2.77/5

Rating: 2.8/5 (921 votos)




ONLINE
1




Partilhe esta Página




Amazônia deve ter 1,8 milhão de km² mapeados:

25/02/2016 09h01 - Atualizado em 25/02/2016 09h01

Contra 'vazio cartográfico', Amazônia deve ter 1,8 milhão de km² mapeados

Levantamento cartográfico reunirá banco de informações da região.
Iniciativa deve gerar mais segurança para navegação e defesa de fronteiras.

Adneison SeverianoDo G1 A

Rios Amazônia no estado Amazonas (Foto: Adneison Severiano/G1 AM)
Amazonas é um dos estados que estão sendo mapeados (Foto: Adneison Severiano/G1 AM)

Uma iniciativa conjunta das Forças Armadas e diversos órgãos federais pretende reduzir a falta de informações cartográficas de uma área de 1,8 milhão de km² da Amazônia Legal. O Projeto Cartografia da Amazônia promete atualizar e concluir as cartografias terrestres, geológicas e náuticas da região até 2018. O mapeamento permitirá o reforço das ações de defesa na faixa de fronteira e a segurança da navegação pelos rios da Amazônia.

       Balanço do Projeto
Cartografia Náutica: foram concluídas 115 cartas náuticas entre novas ou atualizadas. Juntas representam aproximadamente 12.000 km da bacia Amazônica, que tem 22.000 km. A previsão é de uma produção de mais 41 cartas entre 2015 e 2018.
Cartografia Geológica: foram realizados levantamentos aerogeofísicos de 570 mil km², e 29 folhas de mapeamento geológico que somam 477 mil km².  Outros cinco aerolevantamentos de uma área de 277 km² estão sendo concluídos.
Cartas Terrestres: foram geradas 1.087 cartas. Dos 1.800.000 km² a serem monitorados por aeronaves, 1.142.000 km² foram sobrevoados, sendo 902.180 quilômetros quadrados já processados (80% dos dados). No final de 2016, o Exército prevê a entrega de todos os produtos. Em 2016, o Exército Brasileiro voará mais 350.000 km² de área de floresta.
Fonte: Censipam

O diretor-geral do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam), Rogério Guedes Soares, explicou que havia uma espécie de "vazio cartográfico" da Amazônia. Dos 5,2 milhões de km² da Amazônia Legal, 1,8 milhão de km² não tinham informações cartográficas do padrão considerado adequado. Da área total são 1.644.600 km² são de área de floresta e 155.400 km² de área de não-floresta. O Projeto Cartografia da Amazônia deverá reduzir esse déficit.

"Temos um vazio cartográfico, que é exatamente o vazio de informações da parte de navegação, geológica e terrestre para utilização mais adequada da região. Nesse projeto a gente atualiza as informações e coloca em um padrão mais adequado", esclareceu.

O projeto prevê atualização e conclusão das cartografias terrestre, geológica e náutica dos 35% da Região da Amazônia sem informações na escala de 1:100.000. Até o final do projeto 1,8 milhão de km² estarão cartografados na escala de 1:50000, que seria melhor do que a planejada, propiciando mais qualidade e precisão cartográfica, de acordo com o Censipam.

Necessidades
Pelo projeto foram construídos cinco navios para a Marinha realizar a cartografia náutica fluvial permanentemente.

"A atualização contínua das cartas náuticas são fundamentais para a segurança da navegação, pois os rios estão em constante movimento, provocando alterações no seu curso. É através das hidrovias que são escoadas mais de 95% das exportações da região. Constantemente são transportados produtos como: caulim, celulose, bauxita, soja, fertilizantes, petróleo, GLP [Gás Liquefeito de Petróleo] e dos produtos eletroeletrônicos, automotivos, óticos, químicos, termoplásticos e metalúrgicos da Zona Franca de Manaus", comunicou o Censipam.

Com os levantamentos, a segurança da navegação para os navegantes, passageiros e cargas deve ser ampliada na Amazônia. "Com relação à navegação existe uma necessidade de atualização regular das cartas para verificar profundidade e leitos, que são dados úteis para navegação na região", comentou Rogério Guedes.

Embarcações foram construídas para realizar o levantamento cartográfico nos rios (Foto: Divulgação/Censipam)
Embarcações foram construídas para realizar o levantamento cartográfico nos rios (Foto: Divulgação/Censipam)

Segundo Censipam, as informações cartográficas terrestres e geológicas auxiliam no conhecimento da Amazônia, no monitoramento de segurança e da defesa nacional, especialmente as áreas de fronteiras.

"As cartografias também têm auxiliado a região no planejamento e execução de projetos de infraestrutura como: rodovias, ferrovias, gasodutos e hidrelétricas; demarcação de áreas de assentamentos; mineração; agronegócio; elaboração de zoneamento ecológico e econômico; ordenamento e segurança territorial; escoamento da produção; e desenvolvimento regional", ressaltou o coordenador do projeto.

Operação de guerra
O projeto estava previsto para ser concluído no início de 2015. Entretanto, o prazo foi adiado e a conclusão deve ocorrer em 2018. Até o momento, o projeto já atingiu 71,14% das suas metas físicas e 67,35% de suas metas orçamentárias. Isso significa que já foram executados 14.289 produtos cartográficos de 20.227 previstos. Foram investidos de R$ 237.122.524,00 dos R$ 333.090.684,65 previstos.

"Percebemos que o projeto era muito mais complexo do que foi idealizado. A organização do projeto era semelhante a uma operação de guerra para chegar aos pontos marcados para as aeronaves que fazem o levantamento com radar. Entramos em áreas onde antes nunca se tinha entrado para fazer esse trabalho. São áreas muito remotas", justificou o diretor-geral.

Divulgação
Todo o material cartográfico será disponibilizado nos portais Diretoria de Serviço Geográfico (DSG)  e da Diretoria de Hidrografia e Navegação (DHN) e do CPRM.  O Censipam também trabalha na criação de banco de dados para colocar alguns produtos no site do órgão.

As ações do projeto começaram em 2008 e têm como foco os estados do Amapá, Amazonas, parte do Acre, Maranhão, Mato Grosso, Pará e Roraima. O projeto é coordenado pelo Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam) e tem como executores a Marinha, o Exército, a Aeronáutica e o Serviço Geológico do Brasil (CPRM).

Arte vazio cartográfico - cartografia amazônia (Foto: Arte G1)